• Tornar o Algarve destino europeu de referência para o Turismo Subaquático mundial.
  • Criação de uma estrutura de recifes artificiais que constitua um distintivo factor para a atracção mundial de Turistas Subaquáticos.
  • Criação do Parque Subaquático Ocean Revival através da imersão deliberada de quatro navios da Marinha Portuguesa.

Local de turismo subaquático

  • Diferente e inovador…
  • De grande nível internacional…
  • Incluído em zona protegida…
  • Numa zona turística de excelência!

Oliveira e Carmo

Corveta Ex-NRP Oliveira e Carmo F489

Características Gerais

Lançado à água: 5 de Fevereiro de 1975;

Acrescentado ao efectivo da Armada: 28 de Outubro de 1975. Na cerimónia da chegada do navio a Lisboa, no dia 16 de Novembro, estiveram presentes, para além de individualidades navais espanholas, os capitães-de-mar-e-guerra ECN Pinto Vilela (da Direcção das Construções Navais) e Cunha Freitas (adido naval à embaixada de Portugal em Madrid);

Retirado: 1999. Da sua classe é o único navio que foi retirado, embora a corveta "Baptista de Andrade", em reserva, também já não esteja em serviço activo;

Desactivado: 2000. Remoção do equipamento ASW, redução da guarnição e modernização dos sistemas de navegação e comunicação;

Desarmado: 13 de Março de 2002 (Portaria n.º 547/2002 de 13 de Março);

Abatido: 1 de Novembro de 2007 (Portaria n.º 1037/2007, de 16 de Novembro de 2007);

Anos de serviço: 24;

Heráldica: brasão de armas e estandarte;

Indicativo NATO: F 489;

Guarnição: 107 elementos;

Construção: entre 1972-1975 nos estaleiros da Empresa Nacional Bazan em Cartagena;

Classe: Baptista de Andrade: Projecto português com origem nos anos sessenta, segundo revisão e melhoramento das corvetas da classe "João Coutinho". 2ª Série de corvetas (6 da classe "João Coutinho" + 4 da classe "Baptista de Andrade"). A "Oliveira e Carmo" é a última das 10;

4 Navios: "Baptista de Andrade", "João Roby", "Afonso Cerqueira" e "Oliveira e Carmo"; Os seus navios, por estarem equipados para combate anti-submarino e disporem de radares e torpedos, são mais do que corvetas, são fragatas ligeiras. Pensada para marcar presença na Guerra do Ultramar, a sua resolução retirou sentido à utilização destes navios, que passaram então a ser usados como escoltadores oceânicos no âmbito da NATO, e mais tarde, desarmados e com uma guarnição mais reduzida, como navios-patrulha oceânicos na zona económica exclusiva portuguesa. Este tipo de navio foi também vendido para Espanha, Marrocos e para o Egipto.

MUSUBMAR o promotor do OCEAN REVIVAL é uma organização sem fins lucrativos

A Associação MUSUBMAR, promotora do Ocean Revival, é uma organização sem fins lucrativos cujo fim é promover e desenvolver o turismo suabaquático em Portugal. A sua iniciativa principal é a criação de um novo local de mergulho com o afundamento de quatro navios de guerra da Marinha Portuguesa, o Projecto Ocean Revival. Este projeto ambiciona criar um sítio de mergulho inovador que permita colocar o Algarve na rota do mergulho mundial. Adicionalmente, a iniciativa procura gerar um novo tipo de turismo durante a temporada baixa da Região, contribuir para o aumento da bio-diversidade e preservar a memória das unidades navais, guarnições e patronos.

“O projeto Ocean Revival proporciona uma excelente oportunidade para melhor entender os processos de colonização em estruturas ao largo do litoral.”
Dr. Keith Hiscock, Associação Biológica Marinha do Reino Unido

 

As principais entidades que apoiam o projecto Ocean Revival: